Seguidores

Quem sou?

Aqui neste mundo virtual

Eu não estou preocupada com quem sou

Porque aqui eu sou o que escrevo

Aqui eu sou o que penso

Aqui eu sou o que sou

Eu sou somente um sentimento

Enide

18 de jul de 2016

Só (lamento)















Naveguei
naveguei
não conheci o mar.

olhei
olhei
não consegui enxergar

flutuei
flutuei
não consegui voar

odiei
odiei
não consegui amar

lamentei
reclamei
nenhuma coisa deste mundo
parece conseguir me alcançar.


Enide Santos  18.07.16

17 de jul de 2016

Hoje escrevi um sonho


















hoje eu escrevi um sonho, não um sonho qualquer. Escrevi o meu sonho, idealizado por minha mente sã para minha mente insana, um daqueles sonhos que deve existir para sempre independente de ser ou não realizado, ele sempre existirá, estará sempre se modificando para que possa permanecer existindo.
Hoje eu escrevi um sonho, onde eu nem me conhecia, onde lá fora estava sempre me aguardando, invejando tudo em torno de mim. Tudo que não vejo, não percebo e mesmo assim está ali. É como um cenário montado especialmente para compor algo não observado.
Hoje eu escrevi um sonho, não foi um sonho exclusivo para mim, nem para ninguém, foi apenas um sonho para o sonho, nada além disso.
Então alguém me pergunta, que importância isso tem?
e eu saciada de minha vontade digo.
Não sei.
Enide Santos 17.07.16


28 de mai de 2016

Minha ausência: Gostaria muito que meus amigos lessem...

















Minha ausência
Gostaria muito que meus amigos lessem...
Hoje estou estudando, faço Licenciatura em Português/ Inglês, isso significa que se, Deus assim permitir daqui a dois anos e meio estarei ministrando aulas. Bem, ainda não sei nada sobre isso e não me envergonho por cometer erros grosseiros tanto na minha comunicação oral quanto na escrita, creio que é normal, pois ainda estou aprendendo. É possível que neste mesmo texto ao qual estou escrevendo tenha inúmeros erros gramaticais, de concordância, acentuação entre outros, mas é questão de tempo para que eu posso dominar com eficiência ao que estou me propondo fazer e um dia não muito distante, garanto, pois estou me esforçando muito, vou me graduar e terei em mãos um sonho que não me atrevi a sonha porem ele me sonhou desde sempre.
Nunca sonhei em lecionar, embora já o tivesse feito sem me dar conta. Ainda era criança, tinha apenas onze anos quando a pedido de um tio meu, fui passar um tempo em sua casa para que eu pudesse alfabetizar algumas crianças que não tinham de forma alguma como aprender, pois, a escola mais próxima ficava na cidade (Presidente Jânio Quadros) a muitos quilômetros de distância para a maioria deles. Assim dos onze aos quatorze anos me tornei professora. Eu era uma criança adorada por outras crianças que estavam felizes ´por estarem aprendendo a assinar o nome, vinham de longe, de suas fazendas, montados a cavalo em jumentinhos a pé e com seus embornalzinhos onde continha um caderno um lápis e uma borracha. Os pais deles me adoravam, me presenteavam com bolos e biscoitos estavam satisfeitos por verem os filhos aprendendo a ler e escrever. Tínhamos aula também a noite para os adultos que trabalhavam na roça o dia todo, mas a noite estavam lá sob a luz das lamparinas tentando desenhar as letras. Alguns aprenderam e inclusive até me enviavam cartas depois que vim embora. Acho incrível que ainda é quase impossível distinguir as letras deles da minha.
Enide Santos 28-05-16



9 de abr de 2016

(in)consciente para sempre
















Acordo, e não mais está comigo.
Então, tenho que controlar as minhas mãos
Conscientiza-las de que não temos mais você.
Preciso fazer com que meu corpo não lhe procure
É necessário que minha boca te esqueça
E que meus olhos apaguem de vez qualquer traço de sua imagem.
Não sei como ensinar meu coração a pulsar de outra forma
Sem fazer repercutir o seu nome
Não sei como me vestir de um outro corpo
Porque este não suporta a dor que vaza de minh’alma.

Enide Santos 03/04/16

20 de jan de 2016

Vontade

















O chão de nossos caminhos
É feito de sonhos, dos nossos sonhos.
Não há estrada alguma,
Não há portas e nem janelas
Nenhuma paisagem há
Sem a vontade.
É ela quem comanda nosso destino do início ao fim.
A vontade não é apenas a semente
Ela também é a terra o fertilizante
A aurora com chuva que que faz iniciar o destino.

Enide Santos 20/01/15